Tribute to my dad, João Vitorino Azolin Benato

This tribute I left with my father in his funeral. With much gratitude we could spend his last days together. I used to write it when he was sleeping to enjoy the time he was awake. He was no longer alive to listen to it, maybe yours could.

Translating to any language would loose its feelings and emotions, so forgive me for keeping it in Portuguese. Son, I hope you can read and understand Portuguese as good as you started speaking to us at home.


Pai, que vida e tanto o senhor teve; quantos momentos, quantas lembranças! Desde seu colo até nossas últimas despedidas, muita saudade o pai deixará em todos nós. Vou pular a parte dos choros, manhas, babas na roupa, fraldas sujas, noites não dormidas, sustos e outros desafios que lhe proporcionei como filho, por falta de provas contra mim, claro!

Mesmo viajando a trabalho, contava com sua volta no final da semana para nosso ping-pong e futebol improvisados, bolas no telhado ou no vizinho, do skate nas calçadas que havia acabado de arrumar… Bom, essa última parte o pai não parecia tão contente!

Aprendi xadrez com o senhor, mas levou 15 anos para conseguir deixá-lo em cheque e tantas outras vezes tudo terminava num bom mate. Nossas pescas e viagens à praia onde o calor fazia até o seu humor suar e sua modalidade de nado sem sair do lugar sempre me impressionou também. Nunca soube de verdade qual era o seu geladinho favorito, pois sempre lhe via comendo todos.

Aprendi sobre compromisso e responsabilidade quando esqueci na casa de um colega documentos para minha crisma, no dia da crisma! Também descobri sobre sua vocação para padre depois do sermão que levei! O pai guiou-me e apoiou-me nos estudos em informática e como bom adolescente, não terminei o curso e anos depois me formei em outra área, para hoje curiosamente trabalhar com informática! Pode rir por último desta vez, afinal assim entendi que pai e mãe muito sabem do que estão falando!

Tornei-me um bom profissional com seus conselhos, aprendendo e trabalhando ao seu lado, mas vamos deixar de lado meu primeiro dia como officeboy quando perdi documentos importantes num raio de 10 km.

Depois de casado não morávamos mais juntos, os filhos seguiram seus caminhos e enfim aprenderam a voar, mas sempre unidos com muita alegria e diversão para celebrar momentos especiais. O barulho e baderna eram parte do pacote que sempre levarei no coração.

Uma mudança para mais longe deixou mais difícil um simples café num final de semana qualquer, um abraço, ou apenas saber como as coisas estão. Por outro lado reconheci e valorizei ainda mais cada oportunidade e momento juntos, pois eles logo acabariam novamente.

Assim deixo essa homenagem ao senhor, ficando ao seu lado com a mãe e meus irmãos até seus últimos momentos conosco nessa vida, aproveitando cada piscar de olhos e cada abraço dado, cada sorriso escondido nas caras de bravo, cada segundo juntos.

Obrigado pelos 34 anos de convivência que levarei eternamente em meu coração. Pai, com Deus o senhor já está, apenas olhe por todos nós em nossa caminhada.

Amém!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Create a website or blog at WordPress.com

Up ↑

%d bloggers like this: